quarta-feira, fevereiro 17, 2010

Um Poema de Rosa Lobato Faria

"Quem me quiser há-de saber as conchas
a cantiga dos búzios e do mar
Quem me quiser há-de saber as ondas
e a verde tentação de naufragar.

Quem me quiser há-de saber as fontes
a laranjeira em flor a cor do feno
a saudade lilás que há nos poentes
o cheiro de maçãs que há no inverno.

Quem me quiser há-de saber a chuva
que põe colares de pérolas nos ombros
há-de saber os beijos e as uvas
há-de saber as asas e os pombos.

Quem me quiser há-de saber os medos
que passam nos abismos infinitos
a nudez clamorosa dos meus dedos
o salmo penitente dos meus gritos.

Quem me quiser há-de saber a espuma
em que sou turbilhão, subitamente
- Ou então não saber coisa nenhuma
e embalar-me ao peito, simplesmente."

(de Memória do Corpo, Textual editores, 1992)

Encontrei este lindíssimo poema em: http://xm-girafadepatins.blogspot.com/

2 comentários:

Nenúfar Cor-de-Rosa disse...

heheheeh, estou a reconhecê-lo de algum lado!! É lindoooo não é?? Bom gosto sim senhor!!:-) Bjs.

Margarida disse...

Pois é! ... :-) ... ainda não tinha aqui homenageado a Rosa Lobato Faria e ao encontrar este poema no teu, achei que era uma belíssima oportunidade. Muito obrigada!

Bjs