sábado, fevereiro 27, 2010

Um dia memorável ...






Hoje tive um daqueles dias memoráveis ...

De manhã participei numa vídeo conferência organizada pelo Grupo de Estudos e Pesquisa em Etnomatemática de Portugal - http://gepemportugal.blogspot.com/. Participei numa conversa com o Prof. Ubiratan d'Ambrósio - http://vello.sites.uol.com.br/ubi.htm, o criador e pensador de campo do conhecimento, a etnomatemática. Foi para mim comovente, ver como, cá em Portugal, na Costa da Caparica, da casa da Mónica, nos pusemos em contacto com S.Paulo, no Brasil, onde estava o Professor, e com o Alexandre Pais, que está a fazer o seu doutoramento na Dinamarca, na Universidade de Aalborg (mesmo no norte da Dinamarca). Para esta "conversa" juntámo-nos pessoas com percursos e experiências tão diversificadas, mas todas tão curiosas sobre a etnomática e as suas implicações para novas formas de olhar e de ser no mundo. Foi superinteressante!! - ouvir o Prof. Ubiratan falar de como o ser humano, desde que nasce, depois ao satisfazer as suas necessidades de sobrevivência, precisa também de satisfazer as suas necessidades de transcendência, através da cultura, da religião ou espiritualidade. Também explicou como a etnomática procura compreender o que é, por exemplo, para um africano ser um ser matemático no Brasil, num contexto cultural diferente do seu de origem. Ele falou também de como o essencial para a sobrevivência da humanidade é manter uma relação harmoniosa entre os três vértices de um triângulo que são definidos pelo indivíduo, os outros (social) e a natureza. O Prof. Ubiratan debruçou-se também sobre a diferença entre respeito e tolerância (uma perspectiva arrogante de olhar o diferente: tolero-o, mas não interajo com ele), sobre como o respeito é indispensável numa comunidade multicultural para que uma construção conjunta de uma sociedade intercultural possa ocorrer, através do diálogo e das diversas interacções entre diferentes perspectivas. Como devemos olhar, para actos de dominação como actos de amor, porque quem os pratica considera que esses actos são os melhores para todos.
Também se debruçou sobre a matemática e as leis que se vão estabelecendo a partir de actos ad-hoc, de respostas improvisadas a problemas. De como à dedução e à indução foi necessário acrescentar "o ponto pé de saída" ... Também falou longamente sobre a necessidade que o ser humano tem de prever o futuro e de como essa necessidade o conduz e o põe em contacto com tantos saberes divinatórios ... divinos ... e como por mais que a ciência explique os fenómenos, há sempre mistérios que se vão mantendo, que conduzem a novas questões que os seres humanos voltam a colocar aos saberes divinatórios ...

Impressionante, foi fazer toda esta conversa, a que com muita pena minha não pude assistir até ao final, a partir das interessantes questões colocadas pelos participantes. Há uns anos, sem estes recursos tecnológicos, esta conversa não teria sido possível.

Fiquei cheia de vontade de ler mais sobre o que o Professor Ubiratam escreve.

Não pude estar até final de tão interessante conversa, porque hoje o almoço foi um almoço de homenagem ao Sérgio Niza, um dos fundadores do Movimento da Escola Moderna - http://www.movimentoescolamoderna.pt/. Foi no seio desta Associação que cresci profissionalmente e onde encontro muitos amigos. Foi uma delícia encontrar todos estes amigos ao final de algum tempo - tanto afecto, tanto carinho. Foi uma linda homenagem e o Sérgio merece-a.

[Nota: Gostava que notassem que estas são as minhas palavras, para lembrar o que os meus ouvidos ouviram, daquilo que o Professor Ubiratan hoje disse; posso mesmo não ter percebido bem ou mesmo não ter conseguido expressar através da escrita o que ouvi. O que aqui escrevo só a mim me pode ser pedida responsabilidade.]

2 comentários:

CCF disse...

Memoráveis são as pessoas, todas elas, que tornam os dias assim.
Abraço apertadinho,
~CC~

Margarida disse...

Tens toda a razão, minha querida!
:-)
Apertada no teu abraço e retribuindo.